Editores da série MOC: Antonio Carlos Buzaid - Fernando Cotait Maluf - William Nassib William Jr. - Carlos H. Barrios

Editor-convidado: Caio Max S. Rocha Lima

Mama

Nova indicação de uso de trastuzumabe deruxtecana aprovada pela ANVISA

A ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovou em 27 de junho de 2022 uma nova indicação terapêutica ao anticorpo conjugado à droga trastuzumabe deruxtecana, incluindo também o uso da medicação no tratamento de pacientes com câncer de mama HER-2 positivo irressecável ou metastático que receberam anteriormente uma linha de terapia anti-HER-2 no cenário metastático, ou que foram tratadas em contexto neoadjuvante ou adjuvante, seguido de recorrência da doença durante o tratamento ou dentro de 6 meses após a conclusão dele. Este novo cenário de tratamento que recebeu aprovação da agência foi avaliado no estudo de fase III DESTINY-Breast03 (DB03).

Nele, 524 pacientes com câncer de mama metastático HER-2 positivo previamente tratadas com trastuzumabe e taxano para a doença metastática ou com recidiva em ≤ 6 meses do tratamento neoadjuvante ou adjuvante foram randomizadas 1:1 para receberem trastuzumabe deruxtecana ou trastuzumabe entansina (T-DM1). Dentre a população estudada, a maioria das pacientes (89%) possuía alta expressão de HER-2 (imunohistoquímica 3+), 70% possuíam doença visceral, 51% possuíam expressão de receptores hormonais e 90% haviam recebido tratamento prévio para a doença metastática, sendo 48% previamente expostas a apenas uma linha na doença metastática.

O tratamento com trastuzumabe deruxtecana foi associado a redução de 72% no risco de progressão de doença ou morte, objetivo primário do estudo, em comparação a T-DM1 (HR=0,28; IC de 95%: 0,22-0,37; p<0,001). A análise de sobrevida global ainda é imatura, porém a taxa de sobrevida aos 12 meses foi 94,1% versus 85,9% para trastuzumabe deruxtecana e T-DM1, respectivamente. A taxa de resposta também foi superior com trastuzumabe deruxtecana (79,7% versus 34,2%), bem como a taxa de respostas completas (16,1% versus 8,7%).

Na avaliação de segurança, a taxa de eventos adversos de graus ≥ 3 foi semelhante entre os braços trastuzumabe deruxtecana (52,1%) e T-DM1 (48,3%), sendo náuseas, fadiga e vômito os efeitos adversos mais frequentes no primeiro braço. Destaca-se também a taxa de doença pulmonar intersticial ou pneumonite relacionada a droga, um evento com avaliação adjudicada, que ocorreu em 10,5% dos pacientes tratados com trastuzumabe deruxtecana sendo 0,8% deles de graus ≥ 3.

De fato, os resultados apresentados no estudo DB03 impressionam, evidenciando redução no risco de progressão ou morte associados ao uso de trastuzumabe deruxtecana em detrimento de T-DM1 em todos os subgrupos de pacientes avaliados, independentemente de linhas anteriores recebidas. O hazard ratio para sobrevida livre de progressão foi de 0,28 (p = 7,8 x 10–22), o que é inédito para qualquer tratamento já aprovado em câncer de mama. Adicionalmente, a elaboração de guidelines para o manejo da doença pulmonar intersticial ajudou a reduzir a incidência desse evento adverso no estudo DB03. De forma importante, nenhum evento adverso fatal foi relatado nesse importante estudo de fase III, demonstrando uma capacidade substancialmente melhor de identificar e monitorar os pacientes. A inclusão da possibilidade de uso de trastuzumabe deruxtecana em cenário clínico estudado no trial DB03 sem dúvida alguma beneficiará substancialmente os pacientes, que podem ter acesso a esse medicamento em linhas mais precoces da doença, em relação à aprovação prévia”, destaca a Dra. Debora Gagliato, oncologista da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo.

Por Dr. Daniel Vargas P. de Almeida

Veja também:

 

 

Continue sua leitura

Mais informações e estudos no MOC Tumores Sólidos

Acessar MOC

Seja o primeiro a saber das novidades, cursos e novos manuais que serão lançados.

Cadastre-se abaixo para ter acesso:

Seu e-mail
Sua área de atuação

Sobre quais áreas você tem interesse de receber conteúdos?