Editores da série MOC: Antonio Carlos Buzaid - Fernando Cotait Maluf - William Nassib William Jr. - Carlos H. Barrios

Editor-convidado: Caio Max S. Rocha Lima

Dicas

Dica Extra – Niraparibe no câncer de ovário: manejo de toxicidade

Recentemente, foi anunciada a aprovação pela ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) do inibidor de PARP niraparibe para o tratamento de manutenção do câncer de ovário avançado em primeira linha e também na doença recidivada sensível a platina, independente da presença de um biomarcador.

A aprovação coloca niraparibe como uma opção importante para as pacientes com mutação  dos genes BRCA, pacientes que apresentam deficiência de recombinação homóloga sem mutação de BRCA e também pacientes proficientes em recombinação homóloga.

De acordo com os dados dos estudos que levaram à aprovação de niraparibe (PRIMA e NOVA), a taxa de eventos adversos de graus ≥ 3 foi de 70,5% e 74,1% respectivamente, destacando-se toxicidades cardiovascular, plaquetopenia e neutropenia.

Para falar sobre o manejo adequado dessas complicações e assegurar que as pacientes possam se beneficiar do tratamento com niraparibe, convidamos a Dra. Graziela Zibetti Dal Molin, oncologista da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo.

Confira no vídeo respostas a perguntas, como: Quais são os principais sintomas dessas toxicidades associadas ao uso de niraparibe? Como e quando fazer a monitorização de tais toxicidades durante o uso de niraparibe? Quando reduzir ou suspender o uso da droga?

Ao final da aula, entenda também o esquema posológico de niraparibe aprovado em bula.

Apoio:

GSK

Veja também:

 

Continue sua leitura

Mais informações e estudos no MOC Tumores Sólidos

Acessar MOC

Seja o primeiro a saber das novidades, cursos e novos manuais que serão lançados.

Cadastre-se abaixo para ter acesso:

Seu e-mail
Sua área de atuação

Sobre quais áreas você tem interesse de receber conteúdos?