Editores da série MOC: Antonio Carlos Buzaid - Fernando Cotait Maluf - William Nassib William Jr. - Carlos H. Barrios

Editor-convidado: Caio Max S. Rocha Lima

Mama

Publicado novo guideline para avaliação do HER-2 em câncer de mama

O Colégio de Patologistas Americanos (CAP), em colaboração com a Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO), recentemente publicou um novo guideline com as orientações para teste do HER-2 na avaliação patológica do câncer de mama.

O Dr. Carlos E. Bacchi, diretor e patologista responsável do Laboratório Bacchi, comenta as novidades desta versão atualizada:

 

AVALIAÇÃO IMUNO-HISTOQUÍMICA (IHQ)

Não houve mudança para os critérios de avaliação do teste HER-2 pela imuno-histoquímica. Apenas uma ressalva: quando houver expressão de HER-2 em padrão de membrana completo e forte em < 10% das células, continua sendo classificado como HER-2 2+, mas com a observação de que pode representar HER-2 3+ com padrão heterogêneo. Por isso, nesta situação o resultado será HER-2 2+, mas com o comentário que é aconselhável repetir a IHQ em outra área do carcinoma invasivo.

 

RESULTADO DO HER-2 EM BIÓPSIA POR AGULHA GROSSA

Se a avaliação do HER-2, por IHQ ou hibridização in situ (HIS), em um espécime de biópsia por agulha grossa de um câncer de mama primário resultar negativa, um novo teste de HER-2 pode (antes era obrigatório) ser solicitado na amostra de exérese da lesão, se alguns critérios forem contemplados (grau tumoral 3, quantidade escassa de carcinoma invasivo na biópsia por agulha, dentre outros).

 

AVALIAÇÃO DO HER-2 ATRAVÉS DA HIBRIDIZAÇÃO IN SITU POR FLUORESCÊNCIA (FISH)

18_Noticia 27_Sld01

Pelo novo guideline, deve ser dada preferência ao FISH com sondas para o HER-2 e CEP17 ao invés da HIS com uma só sonda (HER-2).

       Não existe mais o resultado duvidoso para o FISH. Seguem os diferentes cenários da análise e a interpretação dos resultados segundo o guideline atualizado:

 

– FISH POSITIVO PELO RESULTADO DA RAZÃO HER-2/CEP17 de ≥ 2,0:

18_Noticia 27_Sld02

       Atualização: em um caso com razão HER-2/CEP17 ≥ 2,0, mas média de sinais HER-2/célula < 4,0, anteriormente o resultado era considerado positivo. Agora, o resultado final deve ser definido com base em um estudo adicional. Se ainda não foi avaliado pela instituição ou laboratório, ao realizar o teste do HIS, o teste IHQ para HER-2 deve ser feito usando cortes histológicos da mesma amostra de tecido avaliada para o HIS, e as lâminas de HIS e IHQ devem ser revisadas juntamente para com as possíveis conclusões:

A. Se o resultado da IHQ for 3+, o diagnóstico final é de HER-2 positivo.

B. Se o resultado da IHQ for 2+, deve-se prosseguir com a recontagem do HIS por um observador adicional, cego para resultados anteriores de HIS, que deve realizar a contagem de pelo menos 20 células na área de câncer invasivo com imunocoloração IHQ 2+:

I. Se ao rever a contagem, o observador adicional mudar o resultado para outra categoria de HIS, o resultado deve ser avaliado por consenso.

II. Se a contagem permanecer com a média de < 4,0 sinais HER-2/célula, e a relação HER-2/CEP17 for ≥ 2,0, o diagnóstico é HER-2 negativo, com comentário específico para cada situação.

III. Se o resultado do IHC for 3+, o diagnóstico é HER-2 positivo.

 

– FISH POSITIVO PELO RESULTADO DA CONTAGEM DO HER-2 ≥ 6,0 SINAIS:

18_Noticia 27_Sld03

         Atualização: se um caso tiver uma média de ≥ 6,0 sinais HER-2/célula, com uma razão HER-2/CEP17 de < 2,0 (POLISSOMIA DO 17), anteriormente o resultado final era de HIS positivo para HER-2. Agora, o resultado final dever ser definido com base em estudo adicional. Se ainda não foi avaliado pela instituição ou laboratório, ao realizar o teste do HIS, o teste IHQ para HER-2 deve ser feito usando cortes histológicos da mesma amostra de tecido avaliada para o HIS, e as lâminas de HIS e IHQ devem ser revisadas juntamente para com as possíveis conclusões:

A. Se o resultado da IHQ for 3+, o diagnóstico final é de HER-2 positivo.

B. Se o resultado da IHQ for 2+, deve-se prosseguir com recontagem do HIS por um observador adicional, cego para resultados anteriores de HIS, que deve realizar a contagem de pelo menos 20 células na área de câncer invasivo com imunocoloração IHQ 2+:

I. Se ao rever a contagem, o observador adicional mudar o resultado para outra categoria de HIS, o resultado deve ser avaliado por consenso

II. Se a contagem permanecer com a média de < 2,0 sinais HER-2/célula, e a relação HER-2/CEP17 for ≥ 6,0, o diagnóstico é HER-2 positivo.

III. Se o resultado IHQ for 0 ou 1+, o diagnóstico é HER-2 negativo, com comentário específico para cada situação.

 

– FISH DUVIDOSO PELO RESULTADO HER-2/CÉLULA TUMORAL ENTRE ≥ 4,0 E < 6,0, E A RELAÇÃO HER-2/CEP17 < 2,0:

18_Noticia 27_Sld04

         Atualização: se determinado caso apresentar uma média de sinais HER-2/célula tumoral entre ≥ 4,0 e < 6,0, e a relação HER-2/CEP17 for < 2,0, anteriormente era diagnosticado como HIS duvidoso para HER-2. Agora, o resultado final dever ser definido com base em estudo adicional. Se ainda não foi avaliado pela instituição ou laboratório, ao realizar o teste do HIS, o teste IHQ para HER-2 deve ser feito usando cortes histológicos da mesma amostra de tecido avaliada para o HIS, e as lâminas de HIS e IHQ devem ser revisadas juntamente para com as possíveis conclusões:

A.    Se o resultado da IHQ for 3+, o diagnóstico final é de HER-2 positivo.

B. Se o resultado da IHQ for 2+, deve prosseguir com recontagem do HIS por um observador adicional, cego para os resultados anteriores de HIS, que deve realizar a contagem de pelo menos 20 células na área de câncer invasivo com imunocoloração IHQ 2+:

I. Se ao rever a contagem, o observador adicional mudar o resultado para outra categoria de HIS, o resultado deve ser avaliado por consenso.

II. Se a contagem permanecer com a média entre ≥ 4,0 e < 6 sinais HER-2/célula, e a relação HER-2/CEP17 for < 2,0, o diagnóstico é HER-2 negativo, com comentário específico para a situação.

III. Se o resultado IHQ for 0 ou 1+, o diagnóstico é HER-2 negativo, com comentário específico para cada situação.

Por Dr. Daniel Vargas P. de Almeida.

 

Veja também:

Continue sua leitura

Mais informações e estudos no MOC Tumores Sólidos

Acessar MOC

Seja o primeiro a saber das novidades, cursos e novos manuais que serão lançados.

Cadastre-se abaixo para ter acesso:

Seu e-mail
Sua área de atuação

Sobre quais áreas você tem interesse de receber conteúdos?