Editores da série MOC: Antonio Carlos Buzaid - Fernando Cotait Maluf - William Nassib William Jr. - Carlos H. Barrios

Editor-convidado: Caio Max S. Rocha Lima

Colorretal

Nova opção de tratamento para o carcinoma colorretal metastático no Brasil

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) aprovou o uso do inibidor oral de multiquinase regorafenibe para o tratamento do câncer colorretal (CCR) metastático em pacientes previamente tratados com quimioterapia baseada em fluoropirimidina, terapia anti-VEGF e terapia anti-EGFR bem como naqueles não considerados candidatos para as terapias disponíveis.

O uso de regorafenibe nesse cenário é baseado no estudo randomizado de fase III CORRECT, que avaliou 760 pacientes com CCR metastático submetidos a tratamento prévio utilizando as terapias-padrão disponíveis (incluindo fluoropirimidina, oxaliplatina, irinotecano bem como terapias anti-VEGF e anti-EGFR quando indicadas), tendo apresentando progressão de doença ou interrupção por toxicidades limitante aos tratamentos prévios. Os pacientes foram randomizados para receber regorafenibe ou placebo, associados a melhor suporte clínico, até progressão de doença ou toxicidade limitante. Na análise interina pré-planejada dos dados, o tratamento com regorafenibe atingiu seu objetivo primário, demonstrando benefício estatisticamente significativo em sobrevida global (HR=0,77; IC de 95%: 0,64-0,94; p=0,0052). A sobrevida livre de progressão, um dos objetivos secundários do estudo, também alcançou benefício estatístico após tratamento com regorafenibe (HR=0,49; IC de 95%: 0,42-0,58; p<0,0001).

18_Noticia45_Fig01

No tocante à segurança do tratamento, os principais efeitos adversos associados ao uso de regorafenibe foram fadiga e síndrome mão-pé, geralmente desenvolvidos no início do tratamento (ciclos 1 e 2). A taxa de eventos adversos sérios (graus ≥3) foi de 54% nos pacientes tratados com regorafenibe e 14% nos pacientes tratados com placebo.

Essa indicação de tratamento recém-aprovada no Brasil para regorafenibe complementa as seguintes indicações com aprovações prévias: tratamento de tumores estromais gastrointestinais irressecáveis ou metastáticos (GIST) em pacientes que progrediram ou são intolerantes ao tratamento prévio com imatinibe e sunitinibe; e tratamento do carcinoma hepatocelular (HCC) em pacientes previamente tratados com sorafenibe.

A despeito da nova opção de tratamento, Dr. Fábio Kater, oncologista da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, ressalta: “a indicação de tratamento com regorafenibe se dá para pacientes que outrora não possuíam nenhuma opção terapêutica, preenchendo um espaço sem candidatos no passado. Entretanto, a toxicidade da medicação deve ser ponderada quando da indicação, pois apresenta toxicidades sérias (graus 3-4) não desprezíveis em uma população por vezes já debilitada. Contudo, o benefício existe e seu uso deve ser aplicado na indicação clínica”.

Por Dr. Daniel Vargas P. de Almeida

Continue sua leitura

Mais informações e estudos no MOC Tumores Sólidos

Acessar MOC

Seja o primeiro a saber das novidades, cursos e novos manuais que serão lançados.

Cadastre-se abaixo para ter acesso:

Seu e-mail
Sua área de atuação

Sobre quais áreas você tem interesse de receber conteúdos?