Editores da série MOC: Antonio Carlos Buzaid - Fernando Cotait Maluf - William Nassib William Jr. - Carlos H. Barrios

Editor-convidado: Caio Max S. Rocha Lima

Vídeo-MOC

VOLUME 09 ● NÚMERO 12

IMUNOTERAPIA PARA O TRATAMENTO DO CARCINOMA DE CÉLULAS DE MERKEL METASTÁTICO (CCMM)

Nesta edição do Vídeo-MOC, o assunto em pauta é uma doença rara, o carcinoma de Merkel metastático, que recebeu em junho de 2018 no Brasil a aprovação de uma medicação que pode resultar até em cura da doença em determinados pacientes, o anticorpo anti-PDL-1 avelumabe.

Com apresentação do Dr. Rafael Schmerling, membro titular do centro de oncologia da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, moderação do Dr. Antonio Carlos Buzaid e discussão do Dr. Carlos Eduardo Bacchi, diretor e patologista chefe do Laboratório Bacchi, o vídeo aborda aspectos clínicos e patológicos da doença e coloca em perspectiva os dados do estudo JAVELIN Merkel 200, que avaliou pacientes tratados com o anticorpo monoclonal anti-PDL1 avelumabe.

A apresentação é iniciada com uma ampla discussão sobre o diagnóstico da doença, com foco nos aspectos patológicos e na importância de fazer um painel imunohistoquímico detalhado. A esse respeito, o patologista Carlos Bacchi explica de forma bastante elucidativa as características que devem ser investigadas tendo em vista a dificuldade de chegar ao diagnóstico do carcinoma de Merkel devido a sua semelhança com outras doenças, como, linfoma, carcinoma basocelular entre outras.

Na sequência, Dr. Rafael Schmerling fala sobre os tratamentos convencionalmente utilizados na primeira linha até pouco tempo, ciclofosfamida + doxorrubicina (Epi) + vincristina ou etoposídeo + cisplatina (carbo) e chama a atenção para a eficiência desses tratamentos quimioterápicos em taxa de resposta, no entanto com baixa duração de resposta.

A apresentação segue com os dados do estudo de fase II, braço único, JAVELIN Merkel 200, que avaliou pacientes submetidos ao tratamento imunoterápico com avelumabe após progressão a um esquema de quimioterapia (parte A) ou pacientes sem tratamento prévio (parte B).  Com resultados favoráveis em sobrevida global e duração de resposta expressivamente superiores aos dados históricos, o estudo JAVELIN Merkel 200 coloca o uso de avelumabe como primeira opção de tratamento para pacientes com carcinoma de Merkel avançado. “Mais uma vez a imunoterapia mostra que tem a capacidade de interferir na memória imunológica e controlar a doença de forma perene”, revela Dr. Rafael Schmerling.

Assista a mais um Vídeo-MOC.

Veja também:

• Notícia sobre aprovação de avelumabe no Brasil

Publicado em 25/10/2018.

Apoio:

Marca Merck_Pfizer

Continue sua leitura

Mais informações e estudos no MOC Tumores Sólidos

Acessar MOC

Seja o primeiro a saber das novidades, cursos e novos manuais que serão lançados.

Cadastre-se abaixo para ter acesso:

Seu e-mail
Sua área de atuação

Sobre quais áreas você tem interesse de receber conteúdos?